terça-feira, 28 de março de 2017

Vindiciae Contra Tyrannos - O Direito de Resistir (Dr. Frank Viana Carvalho)

A Obra Vindiciae Contra Tyrannos – O Direito de Resistir

De tempos em tempos temos o privilégio de ler em nosso próprio idioma obras de grande valor, seja no aspecto literário, seja na profundidade e elegância das ideias e argumentos.
A análise e contextualização aliadas à primeira tradução para o português do clássico da Filosofia Política renascentista, Vindiciae contra Tyrannos, brindam-nos com a excelente oportunidade de observar a construção dos argumentos da luta contra a tirania em prol de uma teoria contratual de Estado, bem como a defesa da liberdade de consciência e expressão da fé realizadas por Stephanus Junius Brutus.

O nome do livro é “Vindiciae Contra Tyrannos - O Direito de Resistir”. É uma obra há muito aguardada, pois é o resultado de dezessete anos de uma longa, árdua e aprofundada pesquisa sobre a Ética e a Política. O livro tem duas vertentes, uma pesquisa analítica que explora o caráter historicista das influências sobre os personagens e autores, e uma abordagem conceitual do fenômeno político da tirania em suas influências e interferências no poder, nos costumes, na sociedade, na religião e na liberdade de consciência. Ao traduzir, comentar e analisar a principal obra do período, como autor e tradutor, também utilizei o nome dela no título tema do livro.


Numa época de crise na política e na ética, uma boa notícia: depois de um trabalho de pesquisa que durou longos dezessete anos, será lançado o livro com 463 páginas, chamado 'Vindiciae Contra Tyrannos - O Direito de Resistir', com lançamento pela Discurso Editorial (Editora da USP).  Enquanto súditos do Reino francês, perseguidos por ações do rei lutavam contra a tirania do absolutismo, em seus escritos eles defendiam a democracia representativa e a liberdade de consciência e livre expressão da fé - uma completa modernidade em pleno século renascentista. A USP, berço da pesquisa, está valorizando muito o que foi feito e criou um Evento sobre o assunto para valorizar a pesquisa e o lançamento do livro.

O livro recebeu a análise de grandes e influentes filósofos e acadêmicos brasileiros que recomendaram a sua leitura (Dr. Roberto Romano, Dr. Rolf Nelson Kuntz, Dra. Olgária Chain Féres, Dr. Milton Meira do Nascimento, Dr. Alberto Ribeiro Gonçalves de Barros, Dr. Sérgio Cardoso, Dra. Maria das Graças de Souza - os comentários deles estão no começo da obra e na contracapa). Também foi analisado por especialistas do Direito, Sociologia e História. É um sopro de esperança para uma renovação da Ética e para o respeito à Liberdade de Consciência em nosso país.

Se considerarmos a força dos argumentos e a modernidade das ideias apresentadas, entenderemos porque este tratado se tornou infame perante as autoridades estabelecidas nos séculos XVI e XVII.
Os escritores monarcômacos enquanto apresentavam seus argumentos contra a tirania em meio às Guerras de Religião, num vislumbre quase futurista, lançaram também as bases contratuais da democracia representativa.
Que relações poderia haver entre o escritor político Nicolau Maquiavel, a rainha Catarina de Médicis e o vidente Nostradamus? Entre o Papa Gregório XIII, o rei Henri IV e o reformador Theodore de Bèze? Nesta obra, muitas histórias e muitos personagens se mesclam às propostas filosóficas e teorias políticas. Você está convidado a adentrar ao mundo da Filosofia Política por meio de um caminho revolucionário, fascinante e instigador.



Divisão da Obra Vindiciae Contra Tyrannos – O Direito de Resistir
Quatro Partes:
Na primeira parte do livro é apresentada a narrativa histórica das Guerras de Religião, envolvendo seus personagens e principais acontecimentos. A narrativa é breve e didaticamente compreensível, e ao mesmo tempo, fidedigna e consistente com os fatos e referências dos principais historiadores franceses: acordos, divergências, romances, torneios, disputas, julgamentos, fé, casamentos, intrigas, assembleias, manipulação, traição, tramas, e é claro, os horrores da guerra fratricida.
Na segunda parte está a análise da obra Vindiciae Contra Tyrannos, uma obra que causou grande impacto em todos os segmentos da população francesa, pois ousava questionar a centralização do poder nas mãos do rei. E com argumentos que vão surpreender os leitores (baseados no Direito Romano, na História dos Povos e nas Sagradas Escrituras), ao mesmo tempo em que defendia a liberdade de consciência e expressão da fé, questionava a legitimidade do poder do rei se este agisse contrariamente aos propósitos de um bom governo. Chegava ao ponto de dar aos magistrados, representantes do povo, o direito de depor um governante se ele fosse um tirano. Quais argumentos e teses defende o autor das Vindiciae?
Na terceira parte está a tradução do texto completo das Vindiciae Contra Tyrannos. A tradução foi feita a partir do texto latino, com cotejamento das versões francesa e inglesa. Nesta parte, além da Introdução, estão as Quatro grandes questões feitas e respondidas por Stephanus Junius Brutus e o Poema Final.
Na quarta parte está um Apêndice com a análise das duas obras que antecederam as VindiciaeFranco-Gallia e Le Droit des Magistrats. Além disso, ali também estão de forma resumida, as histórias de vida dos principais personagens das Guerras de Religião e uma breve análise dos fundamentos da teoria contratual.

Pedidos e 
Especificações Técnicas do Livro:
“Vindiciae Contra Tyrannos - O Direito de Resistir” (463 págs; 17x24cm), Discurso Editorial, ISBN 978-85-9470-006-3.
Pedidos para a Livraria Atelier do Saber pelo e-mail atelierdosaber@hotmail.com (envie nome completo e endereço residencial ou comercial). Valor promocional de lançamento (de R$108,00 por R$78,00)

Nenhum comentário:

Postar um comentário